Home / DESTAQUE / Rachada, Câmara deve eleger Eduardo Camargo presidente

Rachada, Câmara deve eleger Eduardo Camargo presidente

Se não houver surpresa ou algum fato extremamente relevante até o momento da eleição, marcada para às 18 horas desta terça-feira, dia 19 de dezembro, o vereador Eduardo de Camargo Neto, o ‘Camarguinho’, do PRB, deve ser eleito, pela terceira vez, presidente da Câmara Municipal de Assis. Ele já comandou o Legislativo nos anos de 2006 e 2013.

A Mesa Diretora ainda terá Chico Panela como vice-presidente, André Borracha como primeiro secretário e Alexandre Cachorrão segundo secretário.

Vinícius Símili, do PDT, deve ser o concorrente de Camargo, mas até mesmo os seus aliados acham difícil reverter a situação, principalmente após a sessão de segunda-feira, quando ficou evidente um racha no Legislativo, com a maioria sendo da oposição.

A maioria dos projetos da pauta terminou rejeitada com o voto de minerva do presidente Valmir Dionízio, após empate de seis a seis. Os vereadores André Borracha e professora Dedé não participaram da votação por terem justificado suas ausências.

A ‘pá de cal’ na derrota de Símili, segundo versão de um vereador aliado, foi a decisão de Alexandre Cachorrão pender pro lado de Camarguinho. “Agora não tem mais jeito. Perdemos”, admitiu.

Outro fator que pode ter sido determinante para o ‘racha’ na Câmara e a derrota do candidato do PDT na eleição da Mesa da Câmara foi a série de ‘trapalhadas’ na condução do projeto denominando os cargos comissionados que resultou na demissão de quase 160 servidores. “Tudo deu errado”, avalia o parlamentar ouvido pelo JSOLJornal da Segunda On Line – que pediu para ter sua identidade preservada.

Para ele, faltou habilidade e articulação política para conduzir o processo. “Todo mundo perdeu”, resume.

ASSESSOR PARLAMENTAR – Uma questão delicada e considerada uma medida extremamente impopular também teria contribuído para Eduardo de Camargo angariar alguns votos decisivos para garantir a sua eleição para a presidência do Legislativo. Ele teria assumido o compromisso de colocar em votação o projeto criando 15 cargos de assessores parlamentares. Cada vereador, se a propositura for aprovada, terá direito a indicar um assessor. A criação desses cargos, engavetada há anos por falta de iniciativa e coragem para enfrentar as críticas, poderia estar sendo usada, agora,  como ‘moeda de troca’. Obviamente que isso é negado por todos.

É esperar pra ver se há, de fato esse compromisso e se ele será honrado em 2.018.

Além disso, é preciso saber se haverá clima para aprová-lo caso haja uma mobilização popular dos contrários à iniciativa.

camarguinho

Camarguinho deve reassumir a presidência da Câmara

 

 

Veja Também

luto

Três sepultamentos em Assis neste domingo, dia 23 de junho

Há três sepultamentos programados para este domingo, dia 23 de junho, no Cemitério Municipal da ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *