Home / CIDADE / Professores protestam e pedem fechamento das escolas

Professores protestam e pedem fechamento das escolas

 

Em protesto realizado em frente ao prédio onde funciona a Diretoria Regional de Ensino de Assis, nesta segunda-feira, dia 22 de fevereiro, um grupo de professores pediu o fechamento das escolas para evitar a realização de aulas presenciais e os riscos de transmissão do novo coronavírus.

Ligados ao Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo -APEOESP-, os educadores também fizeram um manifesto de pesar e indignação pela morte da professora Maria Tereza Miguel Couto, de 32 anos, registrada domingo, dia 21, em decorrência da Covid-19.

De acordo com uma dos manifestantes, “a Diretoria de Ensino de Assis tem seguido à risca as orientações do Secretário de Educação, Rossieli Soares, que exige a reabertura das escolas em situação adversa. A volta forçada às aulas presenciais constitui uma medida arbitrária, irresponsável e criminosa. Quantos de nós precisaremos morrer para que as escolas sejam fechadas?”, questionou uma manifestante.

Nesta semana, a APEOESP comunicou, por meio das redes sociais, o falecimento de outros três professores da rede de estadual por COVID-19: Antonio Carlos Zanetti (Pirassununga), Antônio César Pereira (Carapicuíba) e Deolinda Scotti (bragança Paulista).

Os participantes do protesto chamaram à atenção para o fato de que várias cidades da região de Marília, na qual Assis se insere, estarem com taxa de ocupação de 100% dos leitos de UTI destinados às vítimas da COVID-19.

“Estamos assistindo ao colapso do sistema de saúde na cidade de Araraquara, contaminada pela nova cepa do Covid-19, que tem levado a óbito pessoas de fora do grupo de risco. Não temos nenhum sistema de monitoramento eficiente e não temos testagem; estamos arriscando nossas vidas, as vidas dos alunos e de toda a comunidade”, denunciam.

Outras três escolas da região, além da Escola Clybas Pinto Ferraz, em Assis, suspenderam as atividades presenciais com o risco de contágio de COVID-19, segundo os manifestantes.

Os docentes alertam que as normas de segurança, em casos como esses, estão sendo quase que totalmente descumpridas e muitos professores estão sendo obrigados, por diretores de outras escolas, a comparecer presencialmente, desrespeitando, inclusive, as recomendações do Manual ‘Casos e surtos de Covid-19 em Instituições escolares’.

O protesto, em frente a Diretora de Ensino, foi finalizado com a reivindicação: “Exigimos o fechamento imediato das escolas e a garantia do direito ao ensino remoto, enquanto não houver imunização, enquanto não houver segurança sanitária para voltarmos às atividades presenciais”, apelam.

24 fevereiro dolores

Protesto dos professores

Veja Também

21 abril assis

Ao vacinar quem tem 65 anos, Assis sobe 53 posições no ranking estadual e volta liderar entre as cidades com 100 mil habitantes

Ao iniciar a vacinação das pessoas com 65 anos de idade nesta terça-feira, dia 20 ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *